Vilson Pilatti não vai a juri popular

capture - 23 março 2017 - 12-34-48 - 00278.00_00_49_17.Quadro001O empresário Vilson Pilatti, motorista de um Camaro que se envolveu em um acidente em 2011, na BR-369 em Cascavel e resultou na morte da jovem Vanessa Moura, não vai mais a juri popular. O caso foi julgado para 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná em Curitiba, na tarde desta quinta-feira (30) e por três votos a zero, os desembargadores decidiram desqualificar o crime de homicídio com dolo eventual, que é quando se assume o risco de matar, qualificando apenas como homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

Com a mudança de qualificação, o réu não será mais julgado por uma comissão de jurados. A sentença nestes casos é estipulada pelo juiz. Sendo assim, a pena também é mais branda e fica entre dois e quatro anos. Por ser réu primário, sem antecedentes criminais, o advogado de Pilatti, Helio Ideriha Junior , acredita que caso seja condenado, o cliente não deverá cumprir a pena em regime fechado.

 

Acidente 

capture - 23 março 2017 - 12-34-48 - 00278.00_00_42_18.Quadro005Vanessa Moura estava uma motocicleta com o namorado. Eles trafegavam pela BR-369 quando foram atingidos pelo veículo conduzido por Vilson Pilatti. Ele não prestou socorro as vítimas e se apresentou na polícia dois dias depois. Vanessa morreu antes de receber socorro. O namorado dela sobreviveu ao acidente.

Relembre o caso:

 

Liliane Dias

O post Vilson Pilatti não vai a juri popular apareceu primeiro em TV Tarobá Cascavel – Saiba tudo que acontece em nossa cidade.

Ver Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *